Municípios

Charles da Silveira foi empossado, hoje (26), presidente da (FMS)

Charles quer qualificar a saúde através do diálogo com entidades

O ex-secretário de Governo foi empossado hoje presidente da FMS

Charles da Silveira foi empossado, hoje (26), em solenidade no Salão Nobre da Prefeitura de Teresina, como novo presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS). Na oportunidade, ele falou sobre suas metas à frente da FMS, sendo uma das principais delas a qualificação dos serviços de saúde através do diálogo com todas as entidades que atuam na área da saúde pública no Piauí.

“Gosto de falar em gestão gastando menos e fazendo mais. Para isso, as minhas portas estarão sempre abertas a todas as corporações desde que seja em benefício da saúde pública de Teresina. Diálogo sempre. Foi o que o prefeito me pediu”, disse.

Para Charles da Silveira, esse diálogo é essencial para o trabalho de qualificar a atenção básica; qualificação dos servidores; melhoramento dos atendimentos nas unidades hospitalares e requalificar o Hospital de Urgência de Teresina.

“Iremos trabalhar para que os hospitais sejam melhores qualificados e para que o HUT seja requalificado. Mas, para isso, nós temos a percepção de que há a necessidade de envolvimento de todos os servidores, dos gestores e todos os entes que são envolvidos com a saúde do Estado do Piauí. Por isso, a nosso lema é diálogo para pactuar o que seja necessário”, completou.

Durante a solenidade de posse do novo secretário da FMS, o prefeito de Teresina, Firmino Filho, além de destacar a habilidade e competência de Charles da Silveira, mencionou um dos desafios enfrentados pela saúde de Teresina, que é a necessidade de financiamento para que os avanços obtidos nos últimos anos continuem acontecendo.

“Apesar do esforço construído ao longo do tempo, temos desafios na área do financiamento. Hoje, nenhuma capital possui uma rede de saúde com a magnitude que a cidade de Teresina tem.  Mesmo assim, o município continua interessado em investir cada vez mais na área da saúde”, disse Firmino, que completou: “Confio na competência do professor Charles para continuar esse trabalho”.

Atualmente, a capital conta com 12 hospitais municipais, 2 UPAs, o maior hospital de urgência do Estado, 90 unidades básicas de saúde, um laboratório central, uma policlínica central. Toda essa rede de saúde, segundo enfatiza Firmino Filho, é resultado do investimento de 36% da corrente líquida da cidade com saúde.  

Créditos: Rômulo Piauilino

Comentários

comentários

Ronny
Topo