Polícia

Moro participa da assinatura do decreto que flexibilizou o porte e a posse de armas

Governo tem até quarta-feira para explicar ao STF decreto do porte de armas

Ministra Rosa Weber solicitou que Bolsonaro e Moro se manifestem em ação da Rede, que contesta constitucionalidade
BRASÍLIA – Publicado há 12 dias no Diário Oficial, o decreto queflexibiliza regras para o porte de armas entrou em vigor na data de sua publicação, mas sua validade está em xeque tanto no Supremo Tribunal Federal (STF) quanto no Congresso.
A ministra Rosa Weber requisitou que o presidente Jair Bolsonaroe o ministro da Justiça, Sergio Moro , apresentem explicações sobre o decreto, em ação protocolada pelo partido Rede , que pede a suspensão da eficácia da medida de forma liminar. O prazo vence na próxima quarta-feira. O argumento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) é que o presidente cometeu “abuso de poder” com a edição do decreto.
A Constituição determina como uma das atribuições do presidente da República “sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel execução”. Contudo, o texto estabelece limites para esse poder. Decretos podem ser usados para organizar o funcionamento da administração federal; não podem criar mais despesas; podem extinguir e criar funções; e, em casos extremos, podem ser usados para colocar em vigor os estados de defesa, sítio e intervenção federal — todos os três devendo ser chancelados pelo Congresso.
Por essa razão, a ação da Rede sustenta que um decreto, “que deveria se limitar a detalhar as leis”, não pode “criar as leis”.
SAIBA COMO SE POSICIONAM OS POLÍTICOS DO RIO
Atualmente, treze deputados e vereadores têm porte. Esse número pode
aumentar: nove já declararam que desejam andar armados. Cinquenta
disseram que vão permancer sem armamento
    
No dia 10 deste mês, Câmara e Senado divulgaram pareceres sobre o tema. A primeira apontou inconstitucionalidades relativas ao Estatuto do Desarmamento, e o segundo afirmou que Bolsonaro extrapolou seus poderes. Partidos e parlamentares também protocolaram projetos de decreto legislativo para sustar itens do texto — e até mesmo sua totalidade.

Quando assinou o decreto das armas, Bolsonaro já anteviu contestações:

— Deixo bem claro que nós fomos no limite da lei. Nós não inventamos nada e nem passamos por cima da lei. O que a lei abriu oportunidade para nós, nós fomos lá no limite.

ARMAS PARA QUASE TODOS
Decreto de bolsonaro abre porte para milhões
Segundo a PF, o número de portes válidos
de arma em dezembro de 2018 era de:
36.702

Mas, após o pedido de Rosa Weber, o presidente mudou de tom. Afirmou que, se o decreto for inconstitucional, “tem que deixar de existir”.

—Quem vai dar a palavra final é o plenário da Câmara ou a Justiça — disse ele.

Para fazer frente às contestações, a equipe da Secretaria de Assuntos Jurídicos da Casa Civil prepara uma nota técnica para defender a validade do decreto.

Comentários

comentários

Ronny
Topo