“Nestas multidões evangelizadas, hão de surgir muitos homens e mulheres tornados discípulos”, diz Papa

Papa destaca que é preciso caminhar juntos e ser construtores da paz.

Francisco disse há multidões que anseiam por uma Palavra de vida

Kelen Galvan Da redação

“Nestas multidões evangelizadas, hão de surgir muitos homens e mulheres tornados discípulos”, diz Papa / Foto: Reprodução CTV

O segundo dia da visita do Papa Francisco à Colômbia terminou com a Celebração da Santa Missa no Parque Símon Bolívar, em Bogotá. Na homilia, Francisco refletiu sobre o Evangelho (Lc 5,1-11) que recorda o chamado dos primeiros discípulos de Jesus, nas margens do Lago de Genesaré. O Santo Padre lembra que é a única vez, em todo o Evangelho de Lucas, que Jesus prega junto do chamado mar da Galileia. Jesus tem atrás de si o mar e à sua frente uma multidão que O seguiu para ouvi-Lo. Acesse .: Na íntegra, homilia do Papa Francisco .: Cobertura completa da viagem à Colômbia “A Palavra de Jesus tem algo de especial que não deixa ninguém indiferente. A sua Palavra tem o poder de converter os corações, mudar planos e projetos. É uma Palavra corroborada pela ação, não são conclusões redigidas no escritório, expressões frias e distantes do sofrimento das pessoas; por isso, é uma Palavra que serve tanto para a segurança da margem como para a fragilidade do mar”, destacou. O Papa afirmou que também em Bogotá vivem multidões que anseiam por uma palavra de vida, que ilumine os esforços e mostre o sentido e a beleza da existência humana. E lembrou que o mandato de lançar as redes não é dirigido apenas a Simão Pedro.

“A Palavra de Jesus tem algo de especial que não deixa ninguém indiferente. A sua Palavra tem o poder de converter os corações, mudar planos e projetos”

“Em Bogotá e na Colômbia, peregrina uma comunidade imensa, que é chamada a tornar-se uma rede vigorosa que congregue a todos na unidade, trabalhando na defesa e cuidado da vida humana, particularmente quando é mais frágil e vulnerável: no seio materno, na infância, na velhice, nas condições de invalidez, e nas situações de marginalização social”. Francisco destacou ainda que as multidões que vivem na Colômbia podem tornar-se verdadeiras comunidades vivas, justas e fraternas, se escutarem e acolherem a Palavra de Deus. “Nestas multidões evangelizadas, hão de surgir muitos homens e mulheres tornados discípulos que, com um coração verdadeiramente livre, sigam a Jesus; homens e mulheres capazes de amar a vida em todas as suas fases, de a respeitar e promover”. O Santo Padre afirmou que é necessário chamar uns pelos outros, voltar a considerarem-se irmãos, companheiros de estrada, sócios desta empresa comum que é a pátria. E concluiu sua homilia, convidando os presentes a perder medos que não vêm de Deus, que paralisam e atrasam a urgência de ser construtores da paz e promotores da vida.

Papa participa de encontro pela reconciliação da Colômbia.

Francisco pediu que a Colômbia abra seu coração e deixe-se reconciliar. “Não tenho medo de pedir e oferecer perdão”, disse o Papa

André Cunha Da redação Numa liturgia rica em símbolos, o Papa Francisco participou nesta sexta-feira, 8, de um encontro para a Reconciliação Nacional, no Parque Las Malocas, na Colômbia. Cerca de 6 mil pessoas participaram do momento. .: Acompanhe a cobertura da visita do Papa à Colômbia Francisco visita a Colômbia em um momento muito importante para a história do país, que em 2016 assinou um acordo de paz que pôs fim a 52 anos de um conflito que deixou 260 mil mortos, 45 desaparecidos e 6,9 milhões de deslocados. Três discursos feitos por colombianos destacaram os percursos dos conflitos e suas consequências. Em um dos testemunhos, Juan Carlos Murcia falou dos dias em que passou a serviço das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC); ele deixou a organização após alguns anos. “A guerra não termina com a violência, mas com a educação e com pessoas decididas a transformar a vida”, disse a jovem Deysi Sánchez Re, a segunda a testemunhar. Francisco se disse comovido com os testemunhos, que demonstraram, segundo ele, a força do perdão e do amor, que superam toda a violência. E agradeceu àqueles que contaram suas histórias de vida.

Encontro pela reconciliação é marcado por votos de amor e perdão ao povo colombiano / Foto: Reprodução CTV

“Obrigado a vocês, nossos irmãos, que compartilharam seu testemunho em nome de muitos outros. Como nos fez bem ouvir a história deles. Fiquei comovido com as histórias de sofrimento, mas que também são histórias de amor e perdão”, disse.

Sinal de paz

Após os testemunhos, o Papa Francisco convidou os fiéis para um gesto fraterno: “Em Cristo, que nos fez irmãos com a sua cruz, vamos trocar nosso sinal de paz”, disse aos presentes, que se cumprimentaram com abraços e apertos de mão em seguida. No discurso, Francisco disse que desejou, desde o primeiro dia, esse encontro, apontando que os colombianos trazem no corpo as marcas da história de seu povo, “marcas de acontecimentos trágicos, mas também de gestos heroicos, de alto valor de fé e esperança”. “Venho com respeito, como Moisés, pisando uma terra sagrada, regada com sangue de vítimas inocentes e a dor de suas famílias”, disse o Pontífice, destacando que toda violência contra um ser humano é uma ferida na carne da humanidade. “Cada ato violência nos diminui como pessoas”, afirmou. O Santo Padre disse que sua visita à Colômbia acontece principalmente para que pudesse ouvir os colombianos, abraçá-los, chorar com eles, e se para que se perdoassem – “eu também devo pedir perdão”, acrescentou o Pontífice –  de modo que todos pudessem olhar em frente e avançar. Por último, pediu que a Colômbia abra seu coração e deixe-se reconciliar. “Não tenho medo de pedir e oferecer perdão”, disse o Papa, convidando o povo colombiano a não colocar resistência à reconciliação. “É hora de cicatrizar as feridas, de lançar pontes e limar as diferenças”, apontou o Santo Padre que finalizou o discurso com uma oração aos pés de um Jesus crucificado e mutilado. Neste sábado, 9, o Papa Francisco estará em Bogotá, onde celebrará uma Missa no Aeroporto Enrique Olaya Herrera de Medellín.   Fonte: Cançãonova.com